A síndrome do “Pateta”

Ontem, voltando do trabalho para casa, de motocicleta, estava subindo a Avenida Piraporinha, em São Bernardo do Campo (SP), quando vi a frente um Voyage 1.6 do modelo atual,com cara de carro zero km, fazendo o “famoso” zigue zague da faixa direita para esquerda, só que de maneira muito brusca, aparentemente a impressão é que ele queria dar uma “fechada” em todos os carros que pudesse, talvez para arrumar uma briga, pois mudava de faixa constantemente, e de maneira irresponsável. srvolanteComo eu estava de motocicleta, é óbvio que mesmo ele achando que estava em uma corrida com seu carro popular novo, isso se o carro era dele mesmo, eu me aproximei rápido dele, e fiquei imaginando que esse motorista iria me jogar longe se eu passasse por ele, afinal, vinha fazendo isso há alguns minutos, resumindo, como essa avenida tem um fluxo relativamente rápido, começaram a chegar mais motos atrás de mim, então sinalizei usando o farol alto, e buzinei repetidas vezes ao ultrapassar ele, só que fiquei tão receoso dele jogar o carro para cima de mim, que quase que bati na traseira de um Corsa Hatch 1.0 que estava na faixa da esquerda, só que invadindo o “corredor”, onde eu transitava no momento,no caminho que faço sempre que volto do trabalho.

Enfim, escapei ileso, graças a Deus, mas com muita raiva da irresponsabilidade desse motorista, e com isso me lembrei de um desenho que vi quando garoto. Qualquer semelhança entre o motorista do Voyage e o Pateta do desenho não é mera coincidência, é pura realidade.

Detalhe, o desenho é de 1950, originalmente chamado de Motor Mania, lançado há 61 anos atrás, mas nunca me pareceu tão atual, parece mesmo que o ser humano é muito previsível… o tempo passa e não aprendemos com nossos erros.

Refletindo depois vi que ele estava errado, muito errado, só que eu também acabei errando, apesar de ter sinalizado para garantir que ele me visse passar, poderia ter esperado alguns minutos transitando atrás de algum carro, fora do “corredor”, até esse louco sumir e assim continuar meu caminho tranquilo para casa. Essa foi mais uma lição que aprendi na prática, perder mais alguns minutos no trânsito é melhor do que perder a vida!

E você?Já viu alguém com essa síndrome do Pateta?Já se viu nessa situação?Deixe seu comentário!

Shalom

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s