Sensor de Oxigênio

O sensor de oxigênio faz parte dos sistemas de injeção eletrônica que utilizam à estratégia de malha fechada (closed-loop), onde o sinal gerado pelo sensor de oxigênio tem a função de atualizar a ECU (Engine Control Unit) constantemente sobre a condição da queima, se baseando na concentração de oxigênio (por esse motivo se chama “sensor de oxigênio”.) encontrada nos gases de escape.

Com essa informação, a ECU faz as correções necessárias no tempo de injeção de combustível (Ti), gerando empobrecimento (reduzindo o Ti) ou enriquecimento (aumentando o Ti) da mistura ar/combustível, para garantir o funcionamento do motor sempre em condições ideais, formando uma mistura estequiométrica. Nos motores Flex, a ECU inicia o aprendizado da mistura,quando o sensor de oxigênio gera um sinal fora do padrão,ocasionado no momento da troca do combustível utilizado na queima (quando tinha etanol no tanque e abasteceu com gasolina, ou vice versa).


Sistema de exaustão dos gases modificado para testes de funcionamento do sensor de oxigênio utilizado pelos fabricantes na indústria automotiva.

Como exemplo de sistema de injeção que não utilizava a malha fechada, ou seja, que não tem o sensor de oxigênio, temos as motocicletas Yamaha que até o ano de 2009,quando a fase 3 do PROMOT foi iniciada,não trabalhavam em malha fechada. (FAZER 250cc, XTZ250 LANDER, XTZ250X, XT660R), posso afirmar que essas motocicletas são menos eficientes que as motocicletas com sensor de oxigênio, fabricadas a partir de 2009. Se for adquirir uma motocicleta usada, de preferência para os modelos com sensor de oxigênio.


Motocicletas Yamaha, desde 2005, com injeção eletrônica, porém sem o sensor de oxigênio.

Com a ajuda do amigo Daniel Ribeiro, do Motosblog,elaborei essas questões com resposta,para um melhor esclarecimento sobre o sensor.

1) O sensor se desgasta? Quanto tempo dura um sensor?

Sim, o sensor se desgasta com o tempo, pela construção do seu elemento em cerâmica, pelo contato direto com os gases de escape em altas temperaturas e com contaminantes originários do combustível usado, e esse desgaste pode ser acentuado quando o motor está fora dos padrões de funcionamento.

O sensor tem vida útil que varia dependendo do modelo do sensor. Quanto mais recente a versão (hoje, o sensor IsoHEGO tipo planar), maior a vida útil. Não vou passar números, porque cada fabricante tem um numero diferente para a vida útil do sensor, porém, todas afirmam que um motor desregulado reduz essa vida drasticamente.

2) Existe sensor “racing”, próprio para competição? Ou são todos iguais?

Para análise da queima em motores de competição, usa um sensor de oxigênio chamado “banda larga” (Wideband lambda sensor). Ele é muito preciso e indica exatamente qual é a condição da queima e informa com auxilio de um indicador (gauge) junto com um condicionador do sinal, essa condição da queima em fator lambda, e em alguns modelos em AFR (Air Fuel Relation=Mistura Ar Combustível) também. Tanto que hoje é aplicado em veículos leves com injeção eletrônica diesel,pois o sensor comum não consegue controlar uma queima tão pobre, como a do diesel.

Os sensores de oxigênio não são iguais. Para cada aplicação (motor de carro ou de motocicleta) existe um sensor de oxigênio específico para obter maior eficiência nas leituras, e no controle da queima, pois pode variar pela posição de instalação do sensor no escapamento a temperatura que o sensor está exposto, consequentemente, a sua eficiência na leitura e sua vida útil. Existem sensores não aquecidos e aquecidos, com massa aterrado ou massa isolado e com 3 tamanhos diferentes.

Ilustração de um Sensor de oxigênio aquecido em corte.

3) Combustível ruim pode estragar o sensor?

Sim, os aditivos como sílica ou solventes,quando acima dos limites permitidos pela legislação, podem contaminar o elemento, tornando ele inoperante.

4) Existe conserto para sensor? Ou só trocando por um novo?

No caso de uma avaria do sensor, não existe conserto. Apenas a substituição por um novo. Você com certeza vai escutar alguém afirmar que é possível limpar, que ele vai funcionar novamente, mas isso não funciona.

5) O que acontece se eu rodar sem o sensor? Há como desligar o sensor?

Ao se desligar o sensor de oxigênio do sensor, desconectando ele da injeção, a ECU irá trabalhar em “malha aberta”, onde não há correção da queima. Prejudicando assim a eficiência do motor. Há como desligar o sensor, porém a lâmpada de avarias irá acender, mas existem módulos de competição, como o POWERCOMMANDER, que “enganam” a ECU, simulando o sinal do sensor de oxigênio, para obter mais potência do motor, usando um conector igual ao do sensor com resistores. O objetivo do conector com resistores é fazer com que a ECU não entre em malha aberta, após detectar que o sensor está desconectado. 

Conector eliminador do sinal do sensor de oxigênio, usado no Powercommander.

6) Ao trocar a ponteira de escapamento por um modelo esportivo, é necessário trocar o sensor?

Ao trocar a ponteira do escapamento, não é necessário trocar o sensor, o que é necessário é comprar um escapamento que tenha fixação para o sensor idêntica ou em local bem aproximado que o original estava fixo. Existe todo um trabalho de pesquisa e desenvolvimento para posicionar o sensor na melhor posição, buscando eficiência na leitura, e não somos nós que vamos mudar sem analisar antes, não é?

7) Qual é o sinal gerado pelo Sensor de Oxigênio?

Na injeção eletrônica cicla constantemente em uma faixa entre 0 e 1V,com o motor aquecido.Em sistemas carburados (no caso da instalação de um sensor com Hallmeter,ou multimetro),o funcionamento do sensor difere da injeção eletrônica,pois não há correção do volume de combustível queimado..Um sinal estabilizado sem oscilação com valor aproximado de 450mV,constante,isso se o motor estiver original,sem adaptações como filtro esportivo,aumento de taxa de compressão,turbo entre outras.

Sinal do sensor de oxigênio visualizado com o uso do osciloscópio digital.

 8)Como posso testar o sensor para saber se está funcionando?

Com o auxilio de um scanner (ferramenta de diagnóstico automotivo), com o osciloscópio (a melhor e mais precisa ferramenta de análise de sistemas elétricos, porém o custo é muito alto), com um hallmeter,ou com um simples multímetro.Apenas lembrando que o sinal gerado é TENSÃO CONTÍNUA(VDC),dou ênfase a essa observação pois já vi profissionais afirmando que é tensão alternada porque o sinal”fica fazendo ondinha”.Erro grave,e você não conseguirá interpretar nada.Outro detalhe importante é fazer a verificação do sinal do sensor apenas quando o motor estiver aquecido,em motores com refrigeração líquida,faça a medição após o eletroventilador ser ativado.


Multimetro ou Hallmeter podem ser utilizados na verificação do sinal do sensor de oxigênio.

Enfim, o assunto é extremamente complexo e longo, o objetivo é apenas apresentar o sensor e sua importância na injeção eletrônica atual,e com o tempo irei falar mais sobre ele, se tiver alguma duvida sobre o texto,ou encontrou algum erro,por favor deixe um recado!

Shalom


23 Respostas para “Sensor de Oxigênio

  1. Tenho uma Fazer 250 2009/2010 e o cachorro cortou o fio, mas o que achei estranho foi que a moto liga normalmente e não acende nenhuma luz espia indicando alguma falha no sensor.. Muito estranho, não entendo ..

  2. pow eu queria saber se eu desconectando o sensor e recolocando se tem algum problema porque minha moto esta fazendo um barulho como se estivesse teclando o celular continuamente

  3. Bom dia MotordoMundo!
    Minha fazer 150 2015 tem estado estranha ultimamente (instável em marcha lenta, por vezes fica difícil de ligar, sem “sintonia” no acelerador e as marchas estão difíceis de encaixarem no tempo certo). Quando abasteço com álcool ela frequentemente me da o código 24″ no painel (problemas no sensor de o2), já com gasolina ela melhora.
    Ela ainda esta na garantia, mas gostaria de saber se a qualidade do combustível pode causar esses sintomas já que eu só abasteci em um posto (de bandeira) até agora e isso tem acontecido significantemente com álcool (a ponto de atrapalhar a condução). Ela esta com 6oo km e 3 meses de uso, nunca lavei ela com jato ou algo assim.

    • A moto está na garantia e apareceu o código indicando falha no sensor? Corre para a concessionária, pois a moto está na garantia. A última vez que cotei este sensor, estava sendo vendido por R$ 660… Agora, respondendo sua pergunta, sim, um combustível adulterado pode estragar o sensor de oxigênio, pois a cerâmica do sensor “entope” e ele deixa de responder corretamente. Sério, corre na concessionária, pois se tem código de falha do sensor de oxigênio, peça para checarem e se for necessário, vão trocar. Nem mencione sua suposição sobre combustível adulterado, pois na maioria dos casos que escuto, danos por adulteração do combustível não são cobertos pela garantia.

  4. Minha cachorra cortou o fio do sensor de escapamento e não vi de manhã quando liguei a moto ligo e parou e nao pegou mai, ela precisa do sensor para ligar

  5. OLA AMIGO, TENHO UMA FAZER 2011, ANDANDO NO MAXIMO A 90 KM/H E ELA SÓ FAZ 20KM/L, JA FIZ LIMPEZA DO CORPO DE INJEÇÃO TROCA DO FILTRO E A VELA DEU UMA LEVE MELHORADA 23KM/L SERÁ SE O PROBLEMA TARIA NA SONDA,AGRADEÇO PELA RESPOSTA.

    • Os pneus estão na medida original, ou colocou mais largos? Esta calibrando corretamente? No manual existe uma informação extra sobre calibragem (pelo menos no da Ténéré 250) que diz que acima de 90 kg, a calibragem deve ser igual a descrita na balança para piloto e garupa. O seu peso e peso de bagagens que por acaso leva junto também comprometem o consumo de combustível. Mesmo com a moto perfeita, quanto mais peso na moto, pior será o consumo. Se é o sensor de oxigênio, dificil dizer, sugiro que leve a uma oficina de confiança, para que meçam o sinal dele, para diagnosticar se está bom ou não. Outro detalhe é o óleo que usa. Tem que ser no mínimo, o Yamalube 20w50.

  6. tenho uma fan 150 esi quando estico nela com um certo tempo ela cai a potencia,ja troquei varios sensores mas nao deu certo sera q pode ser este(sonda lambida)que se encontra no escapamento….ajuda eu.

  7. Gostei de sua explicação !
    Estou com um problema . Comprei uma Ducati ST2 ano 99 e está com o fio da sonda lambda cortado e não consigo localizar no diagrama elétrico onde esta sonda era ligado .
    Você tem alguma informação sobre a ligação desta sonda nesta moto?

  8. ola tudo bem me diga uma coisa sobre a sonda da fazer 2011 quais os fios sao a resistencia para sonda e qual sao o sinal de leitura para a central fico grato por ajudar

    • branco e branco são a resistência do aquecedor do sensor
      o cinza é o massa (o negativo do sinal)
      o preto é o sinal (o positivo do sinal)
      O sinal é em tensão contínua (VDC) caso esteja querendo fazer a medição.

      Espero ter ajudado.

      • Olá tudo bem o problema que a sonda que esta e é original usa 2 pretos 1 azul e 1 branco pode me ajudar mais uma vez fico grato pela atenção

          • Vlw ai é que mexeram no chicote mecânicos cem conhecimento sabe né dai eu não conseguia mais acertar a moto e a luz da injeção as vezes acusa que é sonda entaum tenho que acertar agora o sensor antes de condena se é ali o poblema vou tenque ver no chicote lado modulo as cor de cada fio agora abraço te mais

    • Só se limpa a carcaça externo, que com o tempo fica suja com fuligem. Mas apenas com pano seco. Não invente de mergulhar o sensor em nada, pois não resolve.

      Abraço

  9. Olá, eu comprei um helmeter da Beast Racing, e são 5 fios vermelho +, preto -, azul iluminação, roxo sensor lambda e cinza para terra ou leitura em modo Bar Graph.
    Instalei conforme manual, mais quando liguei no fio preto da sonda lambda que são 4 fios, 2 brancos, 1 cinza, e um preto do meu g3 2002 power 1.0 8 válvulas com injeção eletrônica, o instrumento hel só fica piscando como se não houvesse ligado fio roxo na sonda. O que esta errado?

    • Cara, é complicado te falar por mensagem, mas primeiro, com um multimetro, você colocando o cabo preto ( – ) do multimetro no terminal negativo da bateria e encostando o vermelho no terminal, ou pedaço do fio preto decapado(procedimento que não se deve fazer, não se decapa fio de sensor nenhum, pois isso irá gerar oxidação do fio e alterar os valores elétricos do sensor, pode acreditar!), consegue obter leitura do sinal do sensor?

      Veja isso e me diga. Se o sensor for com massa isolado, como a grande maioria nova. Terá que pegar o sinal que seria no negativo da bateria, direto no fio cinza do sensor.( como saber? coloque o multimetro em teste de continuidade ( aquele que faz barulho quando encosta as pontas de prova) e coloque uma ponta no terminal do fio cinza e a outra no sextavado do sensor, se apitar, não é isolado).

      Abraço e me diga se deu certo, não sei se consegui te tirar alguma duvida dessa maneira.

  10. sensor de oxigenio ou sonda lambda .
    parabens muito bem explicado e sem muitos dados tecnicos ! assim todod o mundo entende .

    em breve darei aqui uma postagem sobre analizador de gases com wide-band mas falta ainda uns textes .

    apesar de os modelos de moto serem mais diversos em portugal tentarei dar um exemplo da melhor forma possivel .

    Antonio

    • Salve Antonio,

      A ideia é essa,que todos entendam o conteúdo dos textos,fico feliz que gostou.

      Vou esperar pelas novidades do seu analisador de mistura,espero que tenha sucesso!

      A dica para saber se está 100%,é garantir que dentro do cano,onde vai o sensor instalado,a temperatura dos gases que saem do escapamento tem que estar acima de 300ºC para o sensor gerar um sinal preciso.É ai onde os modelos que eu comentei com você deixam a desejar…

      Grande abraço do Brasil!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s